domingo, 26 de outubro de 2008

O som das estrelas

"Ora (direis) ouvir estrelas!  Certo Olavo Bilac
   Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,
   Que, para ouvi-Ias, muita vez desperto  
   E abro as janelas, pálido de espanto ...

   E eu vos direi: "Amai para entendê-las!
   Pois só quem ama pode ter ouvido
   Capaz de ouvir e de entender estrelas."

(Olavo Bilac)                                      

Cientistas gravam o som de três estrelas, semelhantes ao Sol Estrelas, usando o telescópio francês Corot. 

"... é possível perceber que o som de cada uma das estrelas é levemente diferente das demais. Isso acontece porque o som das  estrelas depende da idade, tamanho e composição química de cada um dos astros." BBC Brasil

Escute aqui o som das estrelas

O fim do Céu e da Terra

A natureza de uma coisa faz outra brotar,

E, da morte, uma nova vida nascer.

Lucrécio (c. 98-55 a.C.)

Durante toda a história da humanidade, a passagem do tempo sempre foi vista com um misto de fascínio e terror. Como todos os seres vivos, nós nascemos, atingimos a maturidade, procriamos e morremos. Mas, aparentemente, apenas nós temos consciência de nossa mortalidade. Essa consciência é uma benção e uma maldição. Na tentativa de produzir um legado que, esperamos, sobreviva à nossa curta vida, nós criamos obras de arte e teorias, temos filhos e ajudamos aqueles que sofrem necessidades. No entanto, indiferente às nossas criações e paixões, a morte continua a causar desespero, imagelágrimas e gritos conta a injustiça, comprovando nossa derrota final diante da onipotência da Natureza em criar e destruir.

Para aliviar o medo da morte e da dor de perder uma pessoa amada, as religiões do Leste e do Oeste transformam o fim da vida em um evento que vai muito além da mera incapacidade de um corpo continuar a funcionar. Algumas designam a vida e a morte como etapas igualmente importantes de um eterno clico de existência, enquanto outras prometem a vida eterna no Paraíso para aqueles que seguirem seus preceitos. Em geral, a transição entre a morte e a eternidade é marcada por eventos extremamente dramáticos, cataclismos de proporções horrendas, que balançam a própria estrutura da Terra e dos céus. Os druidas acreditavam em uma sucessão de eras, que terminavam, cada uma, quando os céus caíam sobre a cabeça deles; o masdeísmo acreditava no dia do Julgamento Final, quando aqueles que seguiram uma vida moral e digna seriam abençoados com a vida eterna, ao passo que os fracos de espírito seriam destruídos por dilúvios de fogo e metais derretidos. O último livro do Novo Testamento, o Apocalipse, anuncia a futura destruição da Terra e do firmamento, perpetrada por uma sucessão de desastres cósmicos, incluindo colisões com “estrelas flamejantes”, o obscurecimento do Sol, da Lua, que se tingirá de sangue, e a queda das estrelas.

Na maioria dos casos, essas religiões forjaram uma profunda relação entre o fim do tempo – quando Deus (ou os deuses) irá determinar o destino de cada um de nós por toda a eternidade – e a destruição da ordem cósmica.

(Prefácio de O fim da Terra e do Céu - O Apocalipse na Ciência e na Religião - Marcelo Gleiser)

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Poema do Chacal

"se o mundo não vai bem a seus olhos,
use lentes
…ou transforme o mundo.
a ótica olho vivo
agradece a preferência "

Lençóis sujos

Para um bairro distante e tranqüilo mudou-se, certo dia, um casal e seus filhos. 
Em sua primeira refeição do dia, o casal e filhos sentaram-se para "saborear o seu primeiro dia" na nova casa. Enquanto comiam, a mulher observou pela janela que uma vizinha pendurava lençóis  no varal.  Aí, veio o comentário:
- Puxa, que lençóis sujos!   Pena eu não ter intimidade com ela.  Se tivesse, perguntaria a ela se gostaria que eu lhe ensinasse a lavar roupas!
Calado, o marido ouvia as críticas da mulher sem nada dizer. 

Passados dois dias, o mesmo comentário, desta vez, durante o café da manhã:
- Puxa, que lençóis sujos!   Pena eu não ter intimidade com ela.  Se tivesse, perguntaria a ela se gostaria que eu lhe ensinasse a lavar roupas!
Parecia um robô, sempre as mesmas palavras, os mesmos comentários com referência à vizinha e seus lençóis sujos no varal.
Passado um mês, o comentário mudou:
- Nossa, até que enfim a vizinha aprendeu a lavar roupas!
- Hoje, - disse o marido - levantei-me mais cedo para limpar a vidraça!image
(Autoria desconhecida)

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Esquinas

image Só eu sei 
As esquinas por que passei 
Só eu sei só eu sei 
Sabe lá o que é não ter e ter que ter pra dar 
Sabe lá
Sabe lá 
E quem será 
Nos arredores do amor
Que vai saber reparar 
Que o dia nasceu
                                                    (Esquinas - Djavan)

Futuro

 

image "Admiro muito a fé e a determinação de um lavrador  nordestino que, sem saber se vai chover, planta para poder  colher o sustento de sua família. Contudo, admiro, especialmente, os plantadores de uva de Petrolina (Pernambuco) e de Juazeiro (Bahia), que criaram um sistema de irrigação artificial que traz as águas do rio São Francisco para suas fazendas. 
       Para eles, chover pode até representar um problema porque altera a quantidade de água de que a planta vai precisar. Eles preferem que não chova para assim determinar o volume exato de água que as uvas receberão.

O futuro deles já não é definido pela presença ou ausência da  chuva. Suas preocupações são outras:  o mercado, como manter a qualidade das uvas, se a Europa vai ou não comprar sua produção.
Resultado: colhem as melhores uvas que já saboreei na minha vida. Eles criaram competências e estruturas que fazem com que o futuro não seja apenas conseqüência da garra, e sim resultado de  planejamento cuidadoso.
       Atualmente, o futuro não pode ser enfrentado somente com espírito de luta, com arco e flecha.
Precisamos sempre da garra, mas acompanhada de conhecimentos, de tecnologia e de equipes poderosas.
       Lembre-se: o futuro é resultado, o futuro é a colheita do que você plantou e está plantando. E esse futuro dinâmico não respeita sobrenome. Sucesso no passado não é garantia de vitórias no  futuro. Então, o que vai acontecer daqui a dez anos será  conseqüência de algo que você está fazendo hoje. Se você está criando uma vida solitária, é inevitável que, no fim, esteja sozinho. Se você está criando hoje muito desperdício, é provável que no futuro esteja pobre."
(Roberto Shinyashiki em 'Os donos do futuro')