sábado, 16 de agosto de 2008

Baseada em uma história zen



Ouvi contar que um homem estava viajando de trem pela primeira vez. Ele era um camponês. Estava carregando a bagagem na cabeça, e pensava: Se eu a colocar no chão, será muito peso para o trem carregar, e eu só paguei para mim. Comprei o bilhete, mas não paguei nada pela bagagem. Por isso, ele estava carregando sua bagagem na cabeça. O trem estava carregando o homem e sua bagagem e, quer ele a carregasse na cabeça, quer a colocasse no chão, não faria nenhuma diferença para o trem.
Sua mente é uma bagagem desnecessária. Não faz nenhuma diferença para essa existência que está carregando você. Você está carregando um peso desnecessário. Abandone-o. As árvores existem sem a mente, e de maneira mais bela que qualquer ser humano; os pássaros existem sem a mente, e num estado mais extático do que qualquer ser humano. Veja as crianças que ainda não são civilizadas, que ainda são selvagens. Elas existem sem a mente. ... Não há necessidade dessa mente.
O mundo prossegue sem ela. Por que você a está carregando? Está pensando que será muito peso para Deus, para a existência? Quando você consegue eliminar a mente, ainda que por um minuto, toda a sua existência é transformada. Você entra numa nova dimensão, a dimensão da leveza.
E é isso: asas para voar céu afora — a ausência de peso lhe dá essas asas; e raízes para dentro da terra — uma base, um centro. A terra e o céu. São duas partes do todo. Nesta vida, na chamada vida cotidiana, você deve estar enraizado; e em seu espaço interno, na vida espiritual, você deve ser leve, móvel, fluido, flutuante. ... Uma criança tirada à força será feia, e poderá morrer. Simplesmente, deixe que eu o faça. A criança está ai; você já está prenhe. Todos estão prenhes de Deus. A criança está ai, e você já a carregou por muito tempo. O período de nove meses já passou há muito. Talvez seja esta a causa da sua angústia — você está carregando em seu ventre algo que precisa nascer, que precisa vir para fora, precisa ser dado à luz.
Imagine uma mulher, uma mãe, carregando uma criança em seu ventre, depois do nono mês. Será cada vez mais difícil de suportar e, se o nascimento não acontecer, a mãe morrerá, pois não poderá agüentar. Talvez seja esta a razão de você ter tanta ansiedade, angústia, tensão. Algo precisa nascer de você; algo precisa ser gerado do seu ventre.
(Bhagwan Shree Rajneesh - Osho)

Nenhum comentário:

Postar um comentário